Bem Vindos!

Este espaço é destinado a todos aqueles que buscam a elevação espiritual e também colaborar com a elevação espiritual do planeta. Transformando este mundo em um mundo de paz e luz. Isto de forma simples e direta de modo que qualquer pessoa possa seguir as instruções e transformar-se em um Trabalhador da Luz.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Balabhadra (Balarama) Kavacham - Escudo de Balarama



Traduzido p/ o ingles por P.R.Ramachander

Duryodhana Uvacha:-
Duryodhana disse:-

1.Gopibhyam kavacham datham,
Gargacharyena Dheematha ,
Sarva Rakshakaram divyam,
Dehi mahyam , Maha Mune

Ó Grande sábio, por favor, dê-me
O escudo de proteção dado pelo grande Garga
Às gopis, o qual protege a tudo

Sri Pradvipaka Uvacha
O sábio Pradvipaka disse:-

2. Snathvaa jale , kshauma daraa, kusha asana,
Pavithra pani krita mantra marjanam,
Smrithvathaa nathwa Balam  Achythagrajam,
Sandhrayed  dharma samhitho bhaveth.

Depois de tomar banho, vestir roupas de algodão, e se sentar em um assento de grama,
A pessoa deve purificar suas mãos através dos cantos purificatórios,
Meditar na força do irmão mais velho de Krishna,
E se tornar plena do Dharma

3. Goloka dhama adhipathi , para Easwara,
Pareshu maam pathu  pavithra keerthana,
Bhoomandalam  saraspavad vilakshyathe ,
Yan moordhni  maam pathu  sa bhoomi mandale.

Que o mestre de Goloka, que é uma Divindade
Que tem fama imaculada e que transporta
A Terra em sua cabeça como um grão de mostarda,
Possa proteger-me neste mundo

4.Seneshu maam rakshathu   sira panir ,
Yudhe  sada rakshathu  maam hali cha,
Durgeshu cha avyaan musali sada maam,
Vaneshu  sankarshana aadhi deva.

Que ele que sustenta através da cabeça proteja-me do exército,
Que ele que carrega a arado sempre me proteja da guerra,
Que ele que segura a maça me proteja da força militar
Que a primordial Divindade Sankarshana me proteja das florestas

5.Kalindaja vega  haro Jaleshu,
Nilambaro  rakshathu maam sada  agnou,
Vayo cha Ramo avathu , khe Bala cha,
Maharnave Anantha vapu  sadaa maam.

Que ele que arrastou o Yamuna me proteja da água,
Que ele que veste roupas azuis sempre me proteja do fogo,
Que Balarama me proteja do vento,
Que Balarama me proteja do céu,
E que ele que é encarnação (da consciência) de Anantha me proteja do mar

6.Sri Vasudevo aavathu Paravatheshu,
SAhasra seersha  cha Maha vivadhe ,
Rogeshu maam  rakshathu Rohinyo,
Maam Kama phalo  aavathu  vipathsu.

Que o filho de Vasudeva me proteja das montanhas,
Que ele que tem mil cabeças me proteja nos debates
Que o filho de Rohini me proteja de doenças
Que ele que satisfaz todos os desejos me proteja de perigos

7.Kamath  sada rakshathu  dhenukari,
Krodhat  sada maam  dvividha prahari,
Lobhaath  sada rakshathu Balavalari,
Mohath sada maam kila Magadhaari

Que o inimigo de Dhenuka me proteja da paixão,
Que ele que bateu em Dvividha me proteja da ira,
Que o inimigo de Balavala me proteja da cobiça,
Que o inimigo do rei de Magadha me proteja da ilusão

8.Pratha sada rakshathu Vrushni duryah,
Prahne  sada maam Madura purendra,
.Madhyandine  gopa saka prapatu,
Svarat parahne  aavathu maam sadaiva

Que o melhor dos Vrshnis sempre me proteja ao nascer do sol,
Que o rei de Mathura sempre me proteja na manhã,
Que o amigo dos gopas me proteja no meio do dia,
Que o rei de si mesmo me proteja à tarde.

9.Sayam  Phanendro aavathu maam sadaiva,
Parathparo  rakshathu maam pradhoshe,
Purna nishte  cha  durantha  veeryah,
Prathyusha kale  aavathu maam sadaiva.

Que o rei das serpentes me proteja à tarde,
Que a Grande Divindade me proteja no crepúsculo,
Que o grande invencível me proteja à meia-noite,
E que o Senhor Balarama me proteja na madrugada.

10.Vidikshu maam rakshathu  Revathi pathi,
Dhikshu  pralambari adho  Yadu dwaha,
Oordhwam  sada maam Balabhadra   arat,
Thatha  samanthad  Baladeva  eva hi.

Que o consorte de Revati me proteja em todas as direções,
Que em todas as direções, eu possa ser protegido pelo inimigo de Pralamba,
Que Balabadhra me proteja de cima,
Que Baladeva me proteja quando eu estou por perto ou distante e em todos os lugares.

11. Antha sadavyaat  purushothamo , bahir,
Nagendra leelo aavathu  maam Maha bala,
Sadantharathma  cha  vasan hari swayam,
Prapthu purna parameswaro mahan.

Que eu seja protegido pelo melhor dos homens por dentro,
Que ele que vive passatempos de rei das serpentes me proteja por fora,
Que este muito poderoso que reside sempre dentro de mim no Senhor Hari,
Ele mesmo me proteja como o Grande Deus.

12.Devasuranam Bhaya nasanam cha ,
Huthasanaam  papa chaye indhanam,
Vinasanam vighna  ghatasya  vidhi,
Sidhasanam  varma varam  Balasya.

Este escudo protetor destrói o medo dos devas e asuras,
E é o fogo que arde ao queimar pecados,
E remove completamente os obstáculos do caminho,
Este é a melhor dos escudos dedicado a Balarama.

Extraído do blog Vaishnavismo e Religião Bhagavata:
http://religiaobhagavata.blogspot.com.br/

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Religião Bhagavata no Ocidente I. Introdução

Enquanto estamos peregrinando na Índia, preparamo-nos para apresentar a forma que se dará a um aspecto da religiosidade Bhagavata no ocidente. Sri Krishna me orienta em torno de todos os detalhes do que Ele deseja expressar através de tal manifestação religiosa, mostrando-me, através de objetos, circunstâncias e eventos ao que preciso para entender aonde devemos chegar. Aqui começo a publicar textos nos quais o Senhor tece comentários em torno de tal co-criação, os quais deverão totalizar três ao todo. Escrevo enquanto ancorada na esfera físico-material da cidade de Vrindávana, porém, em pleno contato com a Morada Eterna (Vaikunta), a qual está tão fortemente visível para a percepção sublimada no nível da Presença Eu Sou (Corpo Divino ou siddha deha) aqui, onde a energia da fé Bhagavata pulsa e vibra com intensidade (Valéria Ornellas). Religião Bhagavata no Ocidente

 I. Introdução

 A religião Bhagavata já existe no ocidente, mas desejo dar outra forma a Ela e, para tanto, envio ao mundo Minha energia feminina, a qual é a própria religião que pretendo oferecer além do que já nasceu no oriente. Em perfeita conformação com o que existe na consciência do que faço por meio de tal estabelecimento religioso ao pensar humano se expressar, escrituras, imagens, sons e à Minha Deidade haverá. Será Ela a tradução do que existe em Meu coração para às percepções ocidentais poder doar, porque o que está lhes chegando às atenções a partir do que da Índia se propagou ainda a muitos não se pode oferecer. Muitas são as opiniões, pois múltiplas e infindáveis são as humanas manifestações e certamente há a necessidade de diversas religiões, para que diferentes expressões da variedade humana possam Me compreender. Por religião que se possa perceber o conjunto de conteúdos e a todos os procedimentos que permitem que ao conteúdo se possa entender. Um conjunto assim se faz existir através do que se revela às humanas impressões, e uma tão complexa revelação alcança ao meio onde as pessoas estão por intermédio de certos constituintes que também como humanos se fazem reconhecer. Quem revela é alguém para quem aquilo que a revelação permite traduzir já se revelou e este alguém Me conhece e assume revelar aos demais ao que Me traduz através de uma determinada religião. Desejo então expressar de outra maneira ao que pode ao devoto até Mim o levar e, sendo assim, começo aqui a demonstrar aonde quero chegar com mais esta manifestação da religião Bhagavata para o mundo ocidental. Saiba-se que Ela alcançará suas percepções de modo a aproximá-los mais daquilo que por tanto tempo os distanciou da Fonte do Amor e da Libertação que lhes posso outorgar por meio da Minha Suprema Manifestação Pessoal. Uma nova expressão que contenha a pureza e a impressão do que a partir do que há mais puro dentro do coração alguém me pode encontrar. Será um caminho que incondicionalmente através do qual poderá se deixar guiar de modo a que Eu possa à alma Me revelar. Para a mente do ocidental e para sua própria percepção, aquilo que o permitirá Comigo estar, em qualquer tempo e em qualquer lugar. Embora seja um pouco similar ao que já se representou através das formas que se deu ao que decidi manifestar, inúmeras as particularidades que se farão notar, e que traduzirão o que desejo oferecer a quem pretenda à Minha Morada se render. Tais particularidades forneço para que haja interesse e que se estabeleça a intenção de ao Meu nome e à minha Forma Transcendental se poder compreender. Para que haja a religião, há necessidade que exista comunhão, entre as pessoas e o seu meio, e entre os que se deixam envolver pela esfera que se revela por meio do seu envolvimento e o que a esfera ela mesma compreende. Reservo a estes, que de fato se permitem estar associados de cada um dos momentos e dos detalhes que tais formas de Minha expressão se fazem manifestar, a fortuna e a sorte de poder ao Conhecimento a que Me pertence a eles se revelar. O que se mostra para suas compreensões é o que não lhes pertence com clareza enquanto ainda não se permitem identificar como quem se entrega ao que pode os libertar. E, portanto, das intenções de cada um depende o que se lhes revelará, e quero às intenções estimular, através de outra maneira de me fazer mostrar àqueles que ainda não conseguem Me entender. Com o que agora estabeleço, começa a haver novas maneiras de com o Todo que me qualifica de o ser humano, a quem se destinam as mudanças que oriento, poder melhor se direcionar. Muitos haverão de estranhar o que de novo se faz conhecer, e mesmo de tal manifestação da minha forma na natureza religiosa, enquanto co-criação do que somente Eu, em meus dois aspectos complementares (masculino e feminino) posso ao mundo introduzir, se afastar. Para eles destino outros rumos e diversificadas direções, no entanto, incontáveis serão aqueles que atingidos serão, porque adentrarei aos seus corações, doando-os Meu Amor e todo o prazer que este Amor pode lhes proporcionar. Insisto que não há nada a temer, pois sempre do novo muitos hão de desconfiar, mas são os que confiam e se deixam engolfar das envolventes traduções que faço por meio da religião aparecer, que podem enfim se deleitar no oceano de néctar que para eles reservei. Tal deleite é o desfrute que cabe àqueles que, desejosos de confiar em Minhas Absolutas Decisões e em Meus modos de agir, conseguem verdadeiramente se encontrar quando se aproximam tanto de Mim.

 Sri Krishna (23/08/2013)

 Conteúdo obtido por sintonização, através de Valéria Moraes Ornellas, Sacerdotisa da Ordem de Zadkiel e co-fundadora da Editora Sétimo Raio, Rio de Janeiro – RJ, e originalmente publicado em http://srikrishnaadishakti.blogspot.com.br. Se desejar divulgar este texto, favor citar devidamente a autoria e a fonte original da publicação. Postado por Hoste do Sétimo Raio às 04:01

O Bhagavad-Gita sob a Luz do Conhecimento Alquímico. I. Eu Sou a Luz do Mundo



Arjuna disse: Ó infalível, por favor, coloque minha quadriga entre os dois exércitos para que eu possa ver quem está aqui presente, quem está desejoso de lutar, e com quem tenho que me bater nesta grande tentativa de batalha. Deixe-me ver os que vieram lutar aqui, desejando comprazer o malévolo filho de Dhrtarastra. Sanjaya disse: Ó descendente de Bharata, tendo Arjuna se dirigido desse modo a Ele, o Senhor Krishna conduziu a excelente quadriga, colocando-a no meio dos exércitos de ambos os grupos (Bhagavad-gita 1: 21-24).

Krishna diz “Eu Sou a Luz do Mundo. Eu Sou a Fonte de todo Conhecimento. Aquele que se rende a Mim, está em Mim. Tudo que este que está em Mim faz, realiza através do Meu Poder e da Minha Vontade. Ele é Meu comando, porque Eu Sou seu guia. Enquanto ele estiver em Mim, terá realizado aquilo que Eu desejo que ele deseje. Eu Sou a realização de tudo que considero necessário ser realizado através daquele que Me serve, por isso Eu o sirvo, realizando o que ele deseja que Eu realize”. 

Comentários (de Saint Germain): Krishna é o Senhor Supremo, aquele que a tudo constrói, mantém e dilui, a partir de sua Vontade Divina. No ocidente, há predomínio do desconhecimento do aspecto pessoal de Deus, pois a maioria das religiões ocidentais não se refere à sua forma e cotidiano, aos seus associados íntimos e ambientes onde Ele existe como pessoa. Deus vem sendo tratado como algo intangível ou uma energia sem forma ou como a totalidade de tudo o que existe, mas sem ser considerado como pessoa. Sendo assim, em geral, as pessoas têm muita dificuldade em se relacionar com Ele, apesar de muitas vezes sentirem suas influências na vida diária. Uma parte da literatura védica, no entanto, revela este aspecto de Deus, a pessoa chamada Krishna, dando-lhe uma forma e um nome, e narrando alguns dos seus principais passatempos. A partir destes escritos, torna-se possível estabelecer uma relação mais próxima com a Divina Personalidade e, compreendendo-a melhor, travar contato direto com Ele, que está sempre dentro dos nossos corações, prestes a revelar-se a cada alma individualmente, através da Grande Presença Eu Sou. No trecho do Bhagavad-gita, que foi apresentado para que Krishna se manifestasse a respeito, Arjuna, um dos seus associados íntimos, primo e amigo, ordena-lhe que movimente a quadriga que os transporta, durante a batalha de Kuruksetra. O Senhor Supremo atende ao seu comando e assim se coloca, nesta nova Era de Ouro, comentando àquela clássica passagem extraída dos escritos védicos: “Eu Sou a realização de tudo que considero necessário ser realizado através daquele que Me serve, por isso Eu o sirvo, realizando o que ele deseja que Eu realize”. Quem está consciente de sua relação pessoal com Deus, como o estava Arjuna, sabe com toda certeza que está atuando em uníssono de interesse com a Suprema Personalidade. Portanto, ambos reciprocam intenções e atos, concretizando a parte da Grande Obra que lhes cabe realizar juntos. Pois eu lhes asseguro que tal estado de consciência está ao alcance de todos, o que estamos oferecendo-lhes através da Sagrada Alquimia. Trata-se de um Caminho em degraus, os quais devem ser galgados gradual e sequencialmente, de acordo com o ritmo e as potencialidades de cada alma em particular. Considerando-se que cada um tem uma história peculiar e uma natureza bastante específica, não existe uma padronização dos pormenores do processo a que cada um deverá se submeter. No entanto, há diversos mecanismos, e uma linha-mestra traçada a partir da qual vocês podem se guiar, rumo a um mesmo ponto de chegada, a Eterna Compreensão de Deus. A Ascensão Espiritual tem o objetivo de conduzir a alma de volta à sua relação original com a Divindade, a qual quando descoberta se mostra como também sendo o destino para o qual a mesma alma foi criada. Como Krishna mesmo nos diz, Ele é a Luz do Mundo e a Fonte de todo Conhecimento e, portanto, o Pensamento Alquímico irradia da sua Infinita e geometricamente Sagrada Mente. Quando nos conectamos com a Suprema Inteligência, estamos adquirindo contato com tal Fonte de Sabedoria. Ela dispõe-nos nos nossos respectivos lugares, outorgando-nos os encargos que nos cabem a realizar, e nos fornecendo todos os recursos para que possamos fazer aquilo que Ele, em uníssono de interesse com nós, deseja que façamos. Por isso mesmo, Ele próprio se coloca, em torno de sua relação com Arjuna, dizendo: “Enquanto ele estiver em Mim, terá realizado aquilo que Eu desejo que ele deseje”. Voltemos a Ele, plenamente conscientes de nossas condições Co-criadoras, e sairemos vencedores de todas as batalhas que porventura venhamos a travar. Notas Explicativas: Lord Krishna é o Supremo Senhor, o próprio Deus, cujos diferentes nomes ecoam através das esferas da existência. Este nome, Krishna, se tornou célebre na oitava física terrena, devido à riqueza de detalhes apresentadas sobre Ele na literatura védica. Não há nenhuma outra narrativa no planeta tão completa quanto esta a respeito da Suprema Personalidade de Deus. Krishna é o nome através do qual podemos reverenciar com segurança e convicção à Absoluta Fonte e à toda sua Obra de Co-criação..

 Fonte: Shamballa - Revista da Grande Fraternidade Branca, ano 1, n. 1, 2012, Editora Sétimo Raio, Rio de Janeiro. Postado por Hoste do Sétimo Raio às 14:22

Sri Suktam

Sri Suktam significa literalmente Elogio a Sri ou Lakshmi, e é um Hino Védico, empregado para a prestação de reverências e a invocação da Eterna Consorte de Krishna ou Vishnu e de seus atributos e bençãos. As palavras abaixo consistem na tradução literal dos versos que aparecem no vídeo (ver no final de publicação). Os versos em sânscrito estão disponíveis em http://www.sathya.org.uk/resources/rel_texts/translations/Sri_Suktam-1.pdf, e outras duas traduções (em inglês) podem ser obtidas em http://www.divyajivan.org/ashtalakshmi/sri_suktam.htm e http://www.puja.net/wordpress/sri-suktam-rig-veda-mantra-for-lakshmi/.



Ó, aquela que é como uma corça matizada
Que reluz como um colar de ouro
Aquela que aparece com uma lua
Como esplendor ... Aquela Deusa Lakshmi
Invoque-a em mim, ó Agni (semideus do fogo)
Invoque-a em mim, ó Agni
Deusa Lakshmi, que é insuperável
Por cuja benção posso adquirir cavalos e homens
Com cavalos na frente... carruagem no meio
Circundados por tranquilos elefantes
Ó, radiante Deusa, venha para perto de mim
Conecte-me com Tua Divina Graça
Ó, Aquela cujas douradas maneiras sorridentes
Saturam nossos desejos ardentes com satisfação
Ó, Aquela que está sentada em um Lotus e é como um Lótus
Desdobre Tua opulência sobre mim
A lua brilha devido à Tua abrasadora fama
A beleza do mundo é enriquecida por Tua generosidade
Em Tua presença de Lótus, eu busco refugio
Eu oro que meu azar seja destruído
Aquela que como o calor do sol
Deu aos semideuses das florestas uma árvore como a Bilva
Os frutos da ação se devem a Tua afetuosa benevolência
Proteje-me da ilusão externa... e suprime meu azar
Venha a mim... Companheira Divina
Dispensa Tua glória sobre mim
Ó, primeira entre os escolhidos da Terra
Concede-me Tua glória
Libera-me da armadilha de fome, infâmia e acima de tudo do azar
Retire todos os obstáculos à prosperidade da minha residência
Tuas fragrantes bênçãos são Supremas
Oferecendo beleza sem fim
Divina Deidade de todos os seres
Concede-me Tua opulência
Faz minhas preces por desejos materiais se realizarem
Na forma de vacas e comida
Dá-me Tua gloriosa proteção
Ó, Mãe de todos os filhos do sábio Kardama
Suporta-me como a Kardama
Possa a prosperidade residir em minha casa
Ó, Mãe que é adornada com Lótus
Ó, Aquela que tem um descendente pacífico como Chiklita
Resida em minha casa
Ó, Deusa Mãe, que serve a todos os baixos de nascimento
Faça Tua opulente residência em minha família
Ó, Aquela que permanece forte, úmida e amarela (em cor) na margem do rio
Vestindo guirlandas de flores
Que tem o brilho da lua... Aquela Lakshmi
Invoque-a em mim, ó, Agni
Ó, Aquela sobre a qual os elefantes espirram água
Que segura um bastão de ouro e decorada com guirlandas de ouro
Que tem o lustre dourado do sol... Aquela Lakshmi
Invoque-a em mim, ó, Agni
Invoque-a em mim, ó, Agni
Aquela Lakshmi, que é inseparável
Cuja dourada generosidade
Ajuda-me a dar apoio ao meu povo
Àqueles que se purificam a si mesmos diariamente com devoção,
Como ghee (manteiga clarificada) em uma concha,
A Deusa da Fortuna irá conceder fartura quinze vezes
Se preces auspiciosas forem recitadas cem vezes
Ó, rosto de lótus... Ó magnífico lótus
Ó, olhar de lótus... Lótus das possibilidades
Adorando-a, Deusa de olhos de lótus
Eu adquiro felicidade com menor esforço
Aquela que concede cavalos
Que concede riqueza... Ó, grande benfeitora
Concede-me fartura... Ó, Deusa... Concede-me todos meus desejos
Ó, Aquela que fornece filhos, netos, prosperidade, glória
Cavalos e carruagens
Ó, Aquela que é reverenciada como a Mãe de todos os seres viventes
Meche com minha vida
Com a fartura do fogo
Com a fartura do vento
Com a fartura do sol
Fartura a partir dos elementos sutis
Fartura do Semideus Indra... Do senhor dos sábios
Do senhor dos oceanos... Tudo se deve a Tu
O elixir de Garuda
Bebendo aquele suco... Sacia-se a sede
Ó, a fartura de Soma (néctar Divino)... O renomado Soma
Ó, Deusa, dê-me aquele Soma
Não haverá raiva... Nem inveja
Nem ganância... Nem inauspiciosidade
Alguém se torna virtuoso e devotado
Por recitar o Sri Suktam
Ó, Aquela que traz a chuva da iluminação e as nuvens do Conhecimento
Todos aqueles que realizam a trajetória mais elevada obtém a visão do Brahman
Ó, amante de lótus
Aquela que senta sobre o lótus... Aquela com a palma de lótus
Aquela que pega o lótus... Como uma folha de lótus
Que percebe o Todo
Ó, amante do mundo
Poder gratificante da mente de Vishnu
Aos Teus pés de lótus, eu apresento as palmas de minhas mãos
Ó, Tuas famosas oito formas de Lótus (ashta Lakshmis)... Fornecem ilimitado contentamento
Ó, Aquela que vive como lótus, com o olho que tudo vê
Ó, Aquela cuja riqueza é vasta
Tem uma posição exaltada... E veste trajes brilhantes
Ó, Lakshmi, Teus Divinos elefantes
Decorados com uma variedade de joias
Banham-na com jarros de ouro
Possam Tuas eternas bênçãos de lótus
Unir isto com prosperidade
Ó, Lakshmi, rainha do oceano de leite
A Consorte de Sriranga (Vishnu)
Para devotos de todas as categorias
Ó, Deusa, Tu és a portadora do candeeiro deles
Ó, Aquela cujos belos e conscientes olhos dão a experiência
De Brahma e Shiva
Cuja linhagem de lótus perpassa os três mundos
Eu me prostro a amada de Krishna (Mukunda)
Ó, Lakshmi, que nos completa
Ó, Lakshmi, que libera
Ó, Lakshmi, que traz sucesso e aprendizagem
Ó, Lakshmi, doadora de riqueza
Ó, Lakshmi, doadora de bênçãos
Que me mantém satisfeito sempre
Tuas benevolentes benção e graça
Tu doas sentada no Lótus
Como milhares de sóis nascentes... Teus três olhos
Eu a adoro, Mãe do Mundo
Ó, auspiciosa que doa prosperidade
Eterna devota de Shiva
Ó, A que tudo sabe, que oferece abrigo
Deusa Narayani... Eu prostro-me perante Tu
Deusa Narayani... Eu prostro-me perante Tu
Ó, Aquela que reside no Lótus... Aquela que tem lótus na mão
Ó, bela, que veste uma guirlanda irradiante de fragrância agradável
Ó, Deusa, nascida da mente de Vishnu
Controlador dos três mundos, concede-me Tua graça
Consorte de Vishnu, Deidade da paciência
Ó, Lakshmi, amada de Krsna
Companheira amada de Vishnu... Ó, Deusa
Eu me prostro para a amada de Krsna
Ganhem conhecimento acerca dAquela Mahalakshmi
Meditem em torno dEsta consorte de Vishnu
Possa Esta Lakshmi guia-los
Aqueles que adoram Lakshmi (Sri)...
Irão desfrutar de vida longa, saúde, consciência, honra e respeito
Obter riqueza, grãos, animais, cônjuge e filhos com pouco esforço
E vida longa aos descendentes
Dívida, doença, pobreza, maldade, morte devido a fome
Medo, tristeza, angústia... São sempre superados
Isto é Conhecimento (Verdade)
Adquiram Conhecimento acerca dAquela grande Deusa
Meditem em torno dAquela consorte de Vishnu
Que possa Esta Lakshmi guia-los
Om... Paz, Paz, Paz






quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Expansões da Energia Feminina Divina e o Prazer Transcendental de Deus



 "Antes de ler este texto, por uma questão de continuidade dos conteúdos, acessem Relações Conjugais nas Florestas, onde estão disponíveis os links p/ os textos anteriores desta série (Valéria Ornellas)".

               Srimati Radhika é a maha-sakti e encarna a essência condensada da hladini-sakti ou mahabhava-svarupa, desta forma se direciona ao que se pretende abordar a partir dos escritos sobre os quais escrevemos. Comenta-se que Ela é também chamada Gandharva, sendo que o Rk-parisista (suplemento ao Rg Veda) “descreve o imenso brilho de Madhava quando ele está com Radha”. De fato, nos completamos em Amor Transcendental, e tal sensação de estar com quem se ama de maneira tão completa aumenta o que irradia da satisfação de ao sentimento reciprocar. No texto também se menciona que Srimati Radha é a mais bela das consortes de Sri Krishna, de modo a nem precisar de adornos de embelezamento, mas, mesmo assim são mencionados doze decorações (srngara) e doze ornamentos (abharana). Os ornamentos se contêm no aspecto que Ela é, integrando-a no desenho que se faz haver do que Eu penso, traduzindo-a para a Minha própria percepção. Mesmo que não haja como adornar ao que por si só adorna ao profundo olhar, as vestimentas e as demais decorações aumentam a Luz de nos arranjarmos, como parte da intenção de dar forma ao que mutuamente gostamos de nos doar.
O Gosvami descreve ainda que a extraordinária beleza de sua svarupa (forma e/ou natureza peculiar) é aumentada muitas vezes pela suavidade de seu rosto, a elegância dos seus cabelos e demais aspectos corporais. “Não há nada que se compare à sua beleza em todos os três mundos”, comenta-se. Radharani é o que a shakti demonstra pretender Me ofertar a partir de suas mais íntimas interações com o que sente enquanto a personificação da contraparte feminina do Amor Conjugal em sua mais plena perfeição. E Ela sente o que recebe da relação que intercambia com a Fonte de sua própria identidade e, portanto, do que Eu desejo que se faça haver na consciência que a personifica dentro da unidade que há entre Nós. Dela emanam todas as demais conformações do aspecto feminino com o qual co-crio e articulo as demais manifestações da madhura-rasa, de modo que todas as conformações estão nEla e a pertencem. Sendo assim, Sri Radhe é completa e Me agrada plenamente, porque Eu tenho-a como Aquela que Me faz satisfeito estar por ao Amor articular com total Perfeição.

               Então se descrevem e comentam muitas de suas particularidades, as quais as fazem diferente das demais saktis, todas as quais Ela mesma contém. Dentre as inumeráveis qualidades de Sri Radha, o texto que comento menciona as mais proeminentes, como: sua doçura (madhura), jovialidade, brilho, fragrância, arte musical, educação, modéstia, paciência e gravidade. Gosto Eu mesmo de apreciar à sua maneira de interceder no que desejo manifestar, fazendo o que pode a fim de Me satisfazer. Isso é uma qualidade que todas as jivas devem procurar desenvolver e, portanto, Radha é extremamente qualificada como quem detém da Sabedoria da arte de Me servir. Sendo assim, Ela é a mais íntima de todas as expressões que faço haver para ao Meu lado estar, eternamente envolvida com o que às Minhas ações fará complementar. Ela é Sri e também Lakshmi, Rukmini e Sita Devi, além de assumir muitas outras conformações, que se fazem necessárias na interação com o que se expande do Meu pensar acerca da Criação, que se destrói e que se mantém das manipulações que existem entre o feminino e o masculino que estão em Mim.
O que se afirma é verdade quanto ao fato dEla gostar muito de se ocupar com passatempos transcendentais e deles desfrutar. Sri Radhe é sempre ávida a manifestar a excelência de mahabhava, podendo transferir sensações de prema aos que a Ela se associam. Afinal,mahabhava é exclusivo de sua própria percepção, pois se trata do conjunto de sensações que somente a shakti primordial pode experimentar, porque só Ela contém dos elementos que a fazem sentir o que sente quando ao Amor reciproca com sua Absoluta Fonte. Os que dEla se aproximam e, de alguma forma, à Sua influência se submetem podem tirar proveito do que através de Minha potência de prazer podem obter para si mesmos. Conforme o que se explicita as características que a traduzem às percepções são todas transcendentais (aprakrta) e Me agradam perpetuamente. Não há como não haver agrado pleno de quem dá à Sua shakti os aspectos que dão significado ao que lhe agradam em si mesmo enquanto elemento de Sua própria feminilidade, a qual, no entanto, completa-se nas interações com o masculino que Me faz Absoluto ser.
 Radhe é especificamente a gopi que Sri é quando nos envolvemos em passatempos dos ambientes florestais de Vraja, onde, a fim de Me propor o que desejo dEla receber, suas expansões se mostram como muitas pessoas a mais, as quais, no entanto, são aspectos dEla mesma, mostrando-se através de múltiplas formas e em diferentes humores. Tais emanações de si mesma, Ela as mantém como Suas associadas (yuthas), que dão existência a um grupo formado por gopis, todas adornadas por características transcendentais e que Me atraem com olhares, gestos e qualidades. O que se propaga através da obra que estamos comentando, assim como também em outros escritos e comentários, apresenta a classificação das sakhis de Radharani em agrupamentos, sendo o mais importante deles o dasparama-prestha-sakhis, formado por Lalita, Visakha, Citra, Campaka-lata, Tunga-vidya, Indu-lekha, Rangadevi e Sudevi. Como acertadamente é colocado, através dos ensinamentos que o suposto mestre espiritual de Vijaya Kumara o transfere, todas elas têm premapor Radha-Krsna elevado ao extremo, e compõem seus próprios subgrupos de expansões, chamados gana (por exemplo, Lalita gana).

As expansões de Radhika existem conforme uma Lógica que Ela mesma domina e manifesta, fazendo-se expressar na multiplicidade de maneiras de Comigo se relacionar que existe dentro de si mesma. Partindo de tal Lógica, a madhura-rasa se faz existir tanto em svakiya (atração conjugal) quanto em parakiya (atração extraconjugal), existindo o que se pode perceber como três subdivisões de nayika (a heroína das lilas), que são mencionados a seguir: (a) o aspecto mais inocente e inexperiente (mugdha),que é tímida e se deixa controlar pelas amigas, o qual somente consegue buscar por Mim escondida das demais; (b) o aspecto intermediário (madhya), que é o único que demonstra a excelência da rasa, e contêm elementos de ambas as outras duas subdivisões, porém, que é muito mais equilibrado; e (c) o aspecto mais maduro e orgulhoso (pragalbha), de gopis intimidativas e obstinadas. As duas últimas categorias podem ser ainda compreendidas como compostas por nayikas mais experientes (jyestha) e menos experientes (kanistha). Todas elas podem experimentar circunstâncias de gracejo (dhira), seriedade (adhira) e choro (dhiradhira) mediante certos atos conjugais que reciprocamos.
Segundo tal Lógica, que está em Sri ou Radharani, têm-se sete tipos de nayikaem svakiya, sete em parakiya, ocupando as categorias madhya e pragalbha, além de um tipo de mugdha, do que totalizam 15 tipos de nayika. Elas existem em diferentes condições (avasthas), as quais podem ser experimentadas em determinadas circunstâncias. As oito principais são comentadas, e nos interessam para que possamos a um maior detalhamento tecer em torno da Transcendental Geometria que a todas elas contém. Estes estados ou condições se caracterizam por: (a) satisfação de estar indo a um encontro, decorada (abhisara); (b) compenetração em se preparar e ao local de encontro com antecedência (vasaka-sajja nayika); (c) impaciência devido a um atraso Meu (utkanthita); (d) ciúme causado pelo atraso (khandita); (e) desapontamento pela Minha ausência (vipralabdha); (f) ansiedade causada pela separação que a faz reprimir Seu Amor (kalahantarita); (g) angústia devida à separação que causa melancolia e ansiedade (prosita-bhartrika nayika); e (h) satisfação por controlar-Me, quando Me faço submisso a madhavi (svadhina-bhartrika).

Juntando tais condições circunstanciais com a subdivisão subsequente, obtêm-se mais detalhes que contribuem com a compreensão do porquê de tantas gopis. As nayikas podem também ser divididas em outras três categorias, que aparecem no Jaiva-Dharma: (a) as mais exaltadas e rendidas (uttama); (b) as que estão em estado intermediário (madhyama); e (c) as menos preparadas (kanistha). Tais subdivisões se diferenciam de acordo com a intensidade e o amadurecimento do bhavacom o qual reciproco com a mesma intensidade e natureza. Daí se multiplica 15 por 8 (os avasthas) e tem-se 120 tipos de nayikas, que, por serem dispostas nas últimas três categorias, dão como resultado 360 tipos ao todo. Esta manifestação eterna e infinita se refaz incontáveis vezes, de modo que não há como precisar o número de gopis que se fazem manifestar para que Eu possa desfrutar da lila de a tantas expressões do transcendental Amor expressar.
Outro aspecto desta geometria diz respeito às yuthesvaris (líderes das gopis), divididas de acordo com sua boa fortuna em: adhika (grande), sama (moderada) e laghvi (leve); e de novo subdivididas em outros três tipos de comportamento: (a) duronas (prakhara); (b) moderadas (madhya); e (c) suaves (mrdvi). As adhika pertencem a duas sessões: atyantiki (extremo) e apeksiki (comparativo); e todas as interseções que se fazem entre as subdivisões resultam em algum tipo de expressão do aspecto feminino essencial dentro da interação com o masculino que a faz perceber-se e articular-se como o que de fato é. Em tais articulações das yuthesvaris, aquela que não tem ninguém acima dEla é uma atyantika-adhika, e é Radha. Apeksika-adhika são superiores a muitas líderes, enquanto Atyantiki-laghu é a nayika perante a qual todas as demais são superiores.  E assim, tal geometria existe e se mantém, não apenas atrelada à Vrindávana material, mas sim na eternidade da Morada Transcendental, onde Eu estou, contemplando em Meu íntimo a tais conformações do que Eu mesmo (shaktimam) penso e sinto enquanto articulo com o que Ela (shakti) pensa e sente no Meu próprio pensar e sentir a Nossa relação conjugal e suas inúmeras manifestações.

                            Sri Krishna (29/10/2013)

Conteúdo obtido por sintonização, através de Valéria Moraes Ornellas (Sri Krishna Madhurya Devi), Sacerdotisa da Ordem de Zadkiel e co-fundadora da Editora Sétimo Raio, Rio de Janeiro – RJ, e originalmente publicado em http://srikrishnaadishakti.blogspot.com.br. Este material faz parte dos recursos de apoio ao curso de Rasa-Tattva: Princípio do Amor Divino, que será oferecido em breve pela Ordem de Zadkiel, na cidade do Rio de Janeiro. Se desejar divulgar este texto, favor citar devidamente a autoria e a fonte original da publicação.     

Obs.: Estamos estudando o livro Jaiva-Dharma, de Srila Bhaktivinoda Thakura, e, a fim de complementar nossas compreensões e aprofundá-las, Sri Krishna nos ofereceu seus comentários a trechos da parte desta obra que trata de Rasa-Tattva. Este trabalho é feito através de uma parceria, que envolve a leitura e seleção dos trechos que eu mesma faço, porém, sob orientação do Senhor; e seus comentários, os quais transcrevo na forma das explicações que acompanham às descrições do que é apresentado por Srila Bhaktivinoda. O resultado será publicado periodicamente nesta página e constituirá a base de um curso ministrado pela Ordem de Zadkiel – RJ. Veja http://ordemdezadkiel.blogspot.com.br/2013/10/lancamentos-de-cursos-de.html.

domingo, 17 de novembro de 2013

Evolução para se Libertar


               Mesmo que a alma humana queira, ela não poderá deixar de evoluir, porque a ela pertencem as Divinas Leis, as quais espontaneamente a farão compreender que precisa se superar. Muitos caminhos se abrem perante a percepção de quem tem condições de compreender que impulsos e trajetos se fazem para si de acordo com suas habilidades de se proteger do que pode danificar sua existência, mas também segundo as possibilidades de ultrapassar os limites que não devem permanecer, alienando-a da liberdade para evoluir. Torna-se nítido, para quem decide se aprimorar, que as fronteiras que se desenham em diferentes momentos não precisam obrigatoriamente se manter na vida de quem já as experimentou. Se elas existiram apenas para que pudesse haver aquisição de entendimentos, quando outras necessidades surgem, certamente terá que haver transcendência do que já não se sustenta mais.

               Estou sugerindo que a pessoa reavalie suas aquisições constantemente, dando-se espaço para confrontar-se e aos seus saberes com o novo, que para ela não se decifrou. Não se deve fugir da novidade, mesmo que ainda haja muito a se compreender, para que enfim o recém-criado deixe de surpreender. Vivem-se momentos de profunda renovação, e a liberdade se refaz periodicamente, de modo que não existe necessidade de se fechar em um mundo que por tanto tempo lhe pertenceu, se ele já não promove mais seu avanço rumo a um estado de consciência superior. É com pesar que vejo o quanto a alma humana se apega ao que não lhe permitirá se aprofundar, e insiste em se manter como sempre esteve, com medo do que lhe parece diferente do que está acostumada a vivenciar.
               Olhem através do tempo e perceberão claramente que tudo muda com o passar dos anos, inclusive a maneira de se relacionarem entre vocês e para com Deus, a Fonte de todas as relações. Percebam ao seu redor como os mecanismos da vida se modificam com constância e dinamicamente tudo se altera, fazendo com que haja equilíbrio, mas também o caos em certos momentos. Se avaliarem com critérios, compreenderão que o próprio modo de pensar da sociedade em que se encontram está mudando sempre de conformação. Tais mudanças causam novas maneiras de se perceberem em meio ao mundo e, sendo assim, elas precisam estar fundamentadas em princípios os quais lhes garantirão a boa sorte de mudar para melhor.
Escolham, portanto, o que deve ou não constituir aos seus universos pessoais, mas o façam com cautela, para não se deixarem levar pelas ondas de pensamento que turbulentamente se transferem entre pessoas e coletividades, mesmo que às vezes nem sejam tão adequadas para quem pretende de fato se estabelecer em paz e em consciência superior. Sejam seletivos com o que permitem entrar em seus mundos, compondo lhes as perspectivas de se aprofundar nas relações com os valores e opiniões que se propagam nos seus meios. Há certas maneiras de entender a existência que são inexatas e repletas de incompreensões, e elas somente podem ser colocadas a prova por aplicação da Lógica Maior.
Fazer a seleção do que deve ou não lhes influenciar é realmente uma tarefa que exige esforço e autopersuasão. Sejam determinados e persistentes, e terão resultados que compensarão, pois muito lhes será oferecido quando conquistarem melhores condições para saberem reconhecer com mais precisão o que é de fato precioso para suas vidas do que não é relevante para esclarecer suas opiniões. Precisarão desenvolver liberdade mental, mas não confundam este aspecto de si mesmos com a teimosia e a presunção que alguns têm, e que não lhes permite aceitarem orientações dos que estão mais avançados no caminho da vida espiritual. Muitas instruções lhes são doadas para que possam avançar, estabilizando suas maneiras de pensar e de sentir as experiências que se fazem como parte de seus padrões de existir.
Evitem a arrogância que muitas vezes tem cegado algumas almas, as quais mesmo não estando em estado muito avançado de aprofundamento em Conhecimento Transcendental, insistem em acreditar-se autossuficientes, o que as faz permanecer por anos ou até mesmo vidas sucessivas aprisionados a tais falsas presunções. Se existir excesso de humildade isso pode interromper suas oportunidades de aumento de suas autoestimas, mas a falta de tal qualidade pode gerar consequências muito mais desfavoráveis para quem pretende se adiantar nos passos que conduzem ao rumo da Ascensão Espiritual. Existem muitos Seres de Luz que podem orientar aos que buscam por tal condição que eles já alcançaram, portanto, não devem ser nunca negados ou acusados pela própria incompreensão humana.

Sejam determinados e livres, porém, sinceros e humildes, e muito obterão. Não confundam liberdade com presunção e substituam a arrogância por simpatia pelos que estão mais avançados no Caminho da Luz. Para que possam assim o fazê-lo precisarão, no entanto, saber reconhecer o que é coerente do que é inconsistente com o que lhes parecerá mais lógico enquanto estiverem no caminho certo, direcionando-se rumo a um estado de consciência mais avantajado. Quando chegarem ao estágio a partir do qual terão de fato condições de a outros orientar, as oportunidades se farão, e espontaneamente serão requisitados para ao seu espaço ocupar. Há muito a se fazer a fim de propagar o que está lhes sendo disponibilizado neste momento de transição, quando a vida em sociedade na Terra haverá de mudar. Cultivem desde já os valores renovados que se farão necessários e, dentre estes, não deixem de contemplar o amor pela liberdade que os que já se libertaram podem ajuda-los a conquistar.


                          Saint Germain (23/10/2013)

Conteúdo obtido por sintonização através de Valéria Moraes Ornellas (Sri Krishna Madhurya Devi), Sacerdotisa da Ordem de Zadkiel e co-fundadora da Editora Sétimo Raio e do Templo da Fé Bhagavata – RJ, e originalmente publicado em http://missaodesaintgermain.blogspot.com.br. Se desejar divulgar este texto, favor citar devidamente a autoria e a fonte original da publicação.